Tenda Cartografia dos Povos e Comunidades Tradicionais

Uma das atrações do Fórum Social Mundial é a tenda “Cartografia dos Povos e Comunidades Tradicionais”, sediada na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), de 27 a 31 de janeiro de 2009. A tenda é parte integrante do Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia - povos e comunidades tradicionais (PNCSA), composto por pesquisadores e movimentos sociais com atividades em todas as regiões do Brasil.


O Projeto Nova Cartografia é coordenado pelo antropólogo Alfredo Wagner Berno de Almeida, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e mantém contato com grupos de estudos de diversos países, tais como a Colômbia,  Guiana Francesa, Venezuela, Argentina e países da Europa.  A UFPA integra o Projeto por meio de um grupo de alunos de doutorado, mestrado e especialização do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA). 


A Associação de Universidades Amazônicas (UNAMAZ) também compõe o PNCSA, contribuindo com o Projeto no lançamento de fascículos que focalizam fenômenos e produzem uma leitura atenciosa da problemática social, econômica e ecológica na experiência dos atores sociais na Amazônia.  De acordo com a professora Rosa Acevedo Marin, coordenadora da UNAMAZ, “As práticas de pesquisa de cartografar e autocartografar instrumentalizam e apóiam as ações dos agentes sociais (quilombolas, indígenas, pequenos criadores, extratores, ribeirinhos, pescadores, colonos, artesãos, carvoeiros)  afetados  pelas mudanças  sociais e ambientais”.


Os fascículos serão expostos na Tenda e estão organizados em três séries:  1)  Movimentos Sociais e Conflitos nas Cidades na Amazônia; 2) Movimentos Sociais, Identidade coletiva e conflitos e 3) Nova Cartografia dos Povos e Comunidades Tradicionais do Brasil. Busca-se, com isso, estabelecer uma comunicação regular de maneira a repassar informações e a dialogar sobre diversos assuntos da atualidade econômica e política do Pará e do Brasil.


A tenda do Projeto está sendo montada por colaboradores da Associação Ribeirinha de Pescador Extrativista da Ilha de Maracujá, há 20 minutos de Belém.  Esta terá o teto de palha (estilo tacaniça), parede de jupati - palmeira nativa das várzeas e dos igapós da Amazônia, e piso de madeira rústica a fim de lembrar o estilo tradicional das famílias ribeirinhas.


PROGRAMAÇÃO


No primeiro dia da programação (27), a partir das 10 horas, haverá Oficina, Exposição Fotográfica, Publicações e a presença de representantes dos movimentos articulados e dos pesquisadores participantes do PNCSA.

No segundo dia (28), além das atividades e oficina que ocorrerão, haverá Visita à Tenda dos Povos Indígenas e um Chá Cultural.

Já no dia 29, a programação contará com Oficina e Seminário, sendo que este terá  a presença de quilombolas, indígenas, representantes governamentais, como a Drª. Débora Duprat, Procuradora da República, além de outros participantes.


No penúltimo dia (30), haverá a Cerimônia de Visita à Tenda “Afro-Negritude Quilombola”, além de Exposições, Exposição Fotográfica, Publicações dos Movimentos e de Pesquisadores e Lançamento do Fascículo Nº 7.


No dia 31, último dia da programação da Tenda, haverá Assembléia, Lançamento de Livro e Seminário, este último contará com a presença de movimentos sociais e pesquisadores do Brasil, da Guiana, bem como com entidades de apoio aos movimentos e às universidades.


Texto: Tatiara Ferranti - Assessoria de Comunicação da UFPA

Publicado em: 22.01.2009 16:27