Saiba como funciona a progressão na carreira na UFPA

Você é professor efetivo de graduação e pós-graduação da UFPA, mas não sabe exatamente como funciona o desenvolvimento da carreira na Universidade? A Coordenadoria de Acompanhamento de Desempenho e Carreira da Diretoria de Desempenho e Desenvolvimento da Pró-Reitoria de Desenvolvimento e Gestão de Pessoal (PROGEP) explica como funcionam as progressões e o consequente ajuste salarial.

 

“As pessoas precisam entender que, embora ocupem o mesmo cargo e tenham o mesmo tempo de serviço, não é possível comparar os salários, porque eles estão relacionados ao desempenho de cada um”, explica Alda Camelo, coordenadora de Acompanhamento de Desempenho e Carreira da UFPA.

 

CLASSIFICAÇÃO: Os professores que atuam no ensino superior pertencem a classes específicas de acordo com a sua qualificação e, dentro de cada classe, há quatro níveis  alcançáveis com o cumprimento dos requisitos de tempo de serviço e avaliação de desempenho acadêmico dos docentes. Assim, professores são “Auxiliares” quando o concurso em que foram aprovados pedia graduação ou especialização como pré-requisito. Eles se tornam “Assistentes” quando possuem mestrado e “Adjuntos” quando possuem doutorado no momento em que ingressam na UFPA.

 

A princípio, todos os professores efetivos concursados pertencem ao nível “I” de suas classes. No entanto, docentes do ensino superior podem receber ganhos salariais com qualificação ou desempenho acadêmico, de acordo com tabelas de remuneração específicas que estabelecem valores para cada classe e nível e também conforme o tipo de carga horária, ou seja, 20 horas, 40 horas, ou dedicação exclusiva.

 

DESEMPENHO: A cada dois anos de efetivo exercício no cargo, os docentes podem receber progressão por desempenho acadêmico a partir de avaliação de desempenho realizada pelos colegiados das unidades onde trabalham (faculdades, institutos, campi e programas de pós-graduação) e pela Comissão Permanente de Pessoal, ligada ao Gabinete da Reitoria da UFPA, mudando de nível dentro de sua classe específica, de II até IV, ou de uma classe para a outra subsequente. Os critérios de avaliação são: participação em bancas de defesa de Trabalhos de Conclusão de Curso, mestrado e doutorado; orientações a estudantes de graduação e pós-graduação; exercício de atividade de gestão na UFPA; produção científica; participação em eventos acadêmicos etc.

 

QUALIFICAÇÃO: Ao obter um título acadêmico acima do atual de sua classificação, o professor pode progredir para o nível inicial da classe subsequente, independente de qual nível esteja ao apresentar os documentos de conclusão de pós-graduação à Comissão Permanente de Pessoal Docente. Por isso um professor Auxiliar III que conclui o curso de mestrado passa a ser Assistente I. 

 

Em 2006, uma nova classe de professores do ensino superior foi criada pelo governo federal: a de “Professor Associado”. Podem atingir esta classificação docentes que têm título de doutorado ou livre-docência e que são professores Adjuntos IV há, pelo menos, dois anos e que tenham o seu desempenho aprovado. Ou seja, é uma classificação alcançável por desempenho, tempo de efetivo exercício e titulação que incentiva o desenvolvimento acadêmico de Professores Adjuntos.

 

Já a classe de Professor “Titular” não pode ser alcançada por progressão. “Um professor da UFPA é titular quando foi aprovado em um concurso aberto para Professor Titular, para o qual sempre exigem o título de doutorado.


 
Serviço:


Conheça todas as tabelas de referência de vencimentos para os servidores da UFPA no link “tabelas de vencimento”, no site www.progep.ufpa.br  ou Clique aqui.

Leia mais:

Saiba como funciona a progressão de carreira para técnico-administrativos

 

Texto: Glauce Monteiro - Assessoria de Comunicação da UFPA

 

Publicado em: 16.08.2010 18:54