Historiador Vicente Salles recebe homenagem

A contribuição da obra de Vicente Salles para os estudos sobre a história da Amazônia foi destacada, na tarde desta quarta-feira, durante Sessão Especial realizada na UFPA pela  Associação Nacional de História/Seção Pará (ANPHU-PA) e o Instituto Histórico e Geográfico do Pará  (IHGP) com apoio do Programa de Pós-Graduação em História e da Faculdade de História.

A representante da ANPHU- PA e docente da Fahis, professora Franciane Lacerda, abriu a sessão saudando os presentes, entre eles a família do pesquisador, representada por sua viúva Marena Salles e irmãs. “Este é um momento bastante especial para todos nós, homenagear alguém que tanto vivenciou e amou a Amazônia.  O legado de Vicente Salles nos ajuda a  compreender a história, e a sua obra alimentará o desejo de mais  pesquisa  sobre a região, por muitos e muitos anos”, disse.

Pluralidade -  Durante a solenidade, os palestrantes discorreram sobre diversos aspectos da vida e dos estudos de Vicente Salles. “Tenho a oportunidade de, mais uma vez, me referir e pensar a pluralidade da obra de Vicente, construída em mais de 40 anos de vida intelectual, onde, além da história, ele projetou a música, o folclore e o teatro. Foram décadas de estudos inovadores e enriquecedores sobre a cultura negra no Pará, mudando a arquitetura do saber histórico”, acentuou o professor Geraldo Mártires Coelho na palestra Vicente Salles: uma obra feita caleidoscópio.

Para o pesquisador Aldrin Figueiredo, do Programa de Pós-Graduação em História - que proferiu a palestra O semióforo da liberdade: os excluídos da história e a identidade amazônica na obra de Vicente Salles -, o homenageado, além de historiador, foi um militante da cultura que trouxe o folclore como um ponto importante para a leitura da história. “Quando analisamos o escopo de sua obra encontramos um jogo de fontes como canções populares, figuras anônimas, crônicas, suplementos literários e depoimentos de muitas pessoas esquecidas pela historiografia que ele transformou em heróis. Ele nos trouxe a história dos vencidos, dos excluídos e a sua obra é um guia muito especial para futuras gerações de pesquisadores”, observou.

A palestra A contribuição de Vicente  Salles para o estudo da escravidão, do professor doutor José Maia Bezerra Neto, encerrou a sessão. O professor teceu comentários sobe o livro O negro no Pará, publicado nos anos 70 e reconhecido como uma das mais importantes obras sobre a escravidão. “A obra é um diálogo entre a antropologia e a história. Ele foi buscar no universo cultural afro-brasileiro elementos para entender a escravidão e viu no negro alguém que produzia cultura.”

Texto: Ascom / IFCH
Fotos: Laís Teixeira

Publicado em: 15.05.2013 19:57