Mestrado em Meio Ambiente é marco em estudos ambientais na Amazônia

Na terceira reportagem do UFPA em Série Meio Ambiente, vamos conhecer o Mestrado em Ciências e Meio Ambiente da UFPA, que foi aprovado em março de 2012 pelo Conselho Técnico-Científico da Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e terá a sua primeira turma concluindo o curso em 2014. O curso é uma oportunidade a profissionais ligados às questões ambientais na Região Amazônica. Coordenado pelo professor Waldinei Rosa Monteiro, representa um marco importante para o avanço dos estudos ambientais na região. Boa leitura!

De acordo com o professor Waldinei Roda Monteiro, o mercado de trabalho na área ambiental estará sempre forte, já que a preservação e a conservação do meio ambiente serão sempre necessárias, principalmente em regiões que demandem, cada vez mais, a aplicação de material humano capacitado. “É neste sentido que o Mestrado em Ciências e Meio Ambiente surge com seu viés interdisciplinar e aplicado, voltado à solução de problemas reais, justamente o que o mercado de trabalho hoje exige”, explica o professor.

Pesquisas – O cenário das pesquisas sobre meio ambiente na Região Amazônica é bastante variado em razão da grande diversidade de recursos naturais, quer sejam animais, vegetais, quer sejam minerais e ainda em razão das diferentes origens étnicas. Sendo assim, os estudos podem envolver tanto a pesquisa básica como a pesquisa na área da saúde, da educação ambiental, das avaliações de qualidade voltadas ao solo, ao ar e à água, aos estudos de viabilidade econômica de atividades sustentáveis, ao conforto ambiental, às propriedades agrárias, ao georreferenciamento, à etnociência, entre outros.

Preservação – Somente no segundo bimestre de 2013, a Floresta Amazônica perdeu uma área de 174,94 km², que equivale a dez vezes o tamanho da Ilha de Fernando de Noronha, localizada no Estado de Pernambuco. A maior parte do desmatamento foi registrada em abril, segundo os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). As estatísticas sugerem a necessidade do crescimento da especialização de mais pessoas na área ambiental, aumentando, desta maneira, o número de pesquisas sobre a Região Amazônica e, consequentemente, a busca de soluções para os problemas cada vez mais crescentes, relacionados ao meio ambiente.

O professor Waldinei espera que as decisões quanto à conservação e preservação do meio ambiente passem por pessoas capacitadas e compromissadas com a causa ambiental. “Neste sentido, o Mestrado em Ciências e Meio Ambiente representa mais uma ação no sentido da geração de conhecimento e formação de recursos humanos para atuar na área do meio ambiente na região”, finaliza.

>> Leia nesta quinta-feira, 6: Projeto mostra como as plantas colonizaram o ambiente terrestre

>> Leia mais:
-  Grupo usa a extensão acadêmica para promover ações de preservação ambiental
-  Grupo busca compreensão das relações socioambientais na Amazônia

Texto: Fábia Sepêda – Assessoria de Comunicação da UFPA
Fotos: Alexandre Moraes

Publicado em: 05.06.2013 18:00