Capes aprova curso de mestrado em Saúde Coletiva

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) aprovou mais um curso de Pós-Graduação na Universidade Federal do Pará (UFPA). Desta vez foi o Mestrado em Saúde, Ambiente e Sociedade na Amazônia, que será iniciado em 2014. O curso, de caráter multidisciplinar, propiciará a formação de pesquisadores e profissionais na área de Saúde Coletiva, com ênfase em epidemiologia, ciências sociais aplicadas à saúde, comunicação e informação em saúde e áreas correlatas.

O curso de mestrado girará em torno de duas linhas de pesquisa. A linha “Sócioantropologia, Política, Planejamento e Gestão em Saúde na Amazônia” pretende desenvolver estudos interdisciplinares de aspectos históricos, sócio-culturais e bioantropológicos da produção e modulação de processos endêmico-epidêmicos em populações tradicionais amazônicas, e avaliação de programas, políticas, técnicas e tecnologias de saúde, redes de saúde.

A outra linha de pesquisa, “Epidemiologia das doenças infecciosas e crônicas não transmissíveis na Amazônia”, é voltada a estudos epidemiológicos de agravos na Amazônia, congregando temas em saúde, saúde bucal, toxicologia, etnofarmacologia, assistência farmacêutica, alimentação e nutrição, genética.

Interdisciplinaridade – Este novo curso se destinará a várias áreas de ensino, desde o campo da saúde, até o das ciências humanas. De acordo com o coordenador do curso, professor João Guerreiro, “a saúde coletiva é, intrinsecamente, multidisciplinar e o curso destina-se a capacitar os alunos a planejar, analisar e realizar investigações na área da saúde coletiva, utilizando, de forma integrada, conceitos e recursos metodológicos da saúde coletiva.”

Edital – O professor João Guerreiro explica que a expectativa é que no final de 2013 seja lançado o primeiro edital, mas que este ainda será definido pelo colegiado do curso, o qual está em formação. Ainda segundo ele, devem ser ofertadas 15 vagas anuais, com previsão de bolsas de estudo, mas ainda sem número definido.

Implantação –“A construção desse novo curso exigiu um árduo e prolongado trabalho por parte de docentes/pesquisadores da área de saúde coletiva, e sua aprovação constitui, por um lado, a realização de um sonho há muito acalentado, na perspectiva de consolidar um grupo homogêneo e produtivo na área de saúde coletiva no âmbito da UFPA”, afirma o professor. O coordenador também considera que o apoio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Propesp), que tem a frente o professor Emmanuel Tourinho, e a consultoria dada pelo professor Bernardo Horta, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), também ajudou a consolidar a proposta.

Ainda segundo ele, a UFPA tem excelente infraestrutura instalada, longa tradição de pesquisa na área de saúde na Amazônia e de cooperação com os países da Pan-Amazônia, e detém 70% dos programas de pós-graduação na área de saúde na região. Além disso, essa porcentagem se resume a seis programas nessa área do conhecimento, o que demonstra a enorme carência de oportunidades para a formação de recursos humanos altamente qualificados na área de saúde para a docência, a pesquisa e serviços. “Portanto, o curso surge como uma ferramenta de integração e articulação acadêmica regional, participando da confluência de iniciativas institucionais - que já existem, mas ainda operam de forma desarticulada entre si - e da produção de conhecimentos sobre a realidade amazônica na área de saúde coletiva”, conclui.

Texto: Carlos Fernando Pinheiro – Assessoria de Comunicação da UFPA
Foto: Reprodução / Google

Publicado em: 29.07.2013 18:00