Ir direto para menu de acessibilidade.

Seletor idioma

PT EN ES

Opções de acessibilidade

Página inicial > Ultimas Notícias > Mostra discute modelo mineral brasileiro e danos da mineração ao longo da estrada de ferro Carajás
Início do conteúdo da página

Mostra discute modelo mineral brasileiro e danos da mineração ao longo da estrada de ferro Carajás

  • Publicado: Sexta, 04 de Agosto de 2017, 18h15

 

Do Rio Da Mineracao

Usando a arte para estimular o debate em torno do modelo mineral brasileiro, a exposição Do Rio que Era Doce ao Outro Lado dos Trilhos: Os Danos Irreversíveis da Mineração chega ao Espaço de Ensino Mirante do Rio, em Belém, de 7 a 11 de agosto. Depois, o evento segue para Açailândia (MA), de 18 a 24 de agosto, e São Luís, no Maranhão, de 29 de agosto a 4 de setembro.

A mostra nasceu meses após o rompimento da barragem de Fundão, que, em novembro de 2015, deixou a região de Mariana (MG) coberta por rejeitos tóxicos. O rastro de lama chegou ao oceano Atlântico e, com ele, cresceu também a necessidade de se discutirem as ameaças socioambientais representadas pela mineração. A contaminação da água e do solo, o inchaço e a sobrecarga das capacidades dos municípios que abrigam barragens e os problemas de saúde de sua população são só alguns deles.

São Paulo foi a primeira cidade a abrigar a exposição, organizada pelo Comitê Nacional em Defesa dos Territórios frente à Mineração. Agora, com a participação da rede Justiça nos Trilhos e parceiros locais (UFPA, Proeg, Facom-PPGCOM, Grupo de Pesquisa Mídias Alternativas na Amazônia etc), o debate ganha força e amplitude, associando o desastre em Mariana aos efeitos da mineração na Amazônia: mais de 2 mil quilômetros separam as duas regiões, mas os impactos são os mesmos. De Parauapebas (PA), onde o minério é extraído, até São Luís do Maranhão, de onde é escoado para o mercado internacional, a população dos 27 municípios cortados pela estrada de ferro Carajás padece com resíduos tóxicos da poeira de minério e com a própria passagem do trem, que leva à deterioração do ambiente em que vivem e é causa de ferimento e morte por atropelamento.

Juntando o rio e os trilhos, os estragos em Minas Gerais e na Amazônia, a exposição Do Rio que Era Doce ao Outro Lado dos Trilhos: Os Danos Irreversíveis da Mineração conta com fotos da região de Mariana, da estrada de ferro e de Piquiá de Baixo (uma das cidades mais impactadas pela mineração na região, espécie de “Mariana da Amazônia”), além de instalações sensoriais, exibição de filmes, aulas públicas, rodas de conversa e palestras sobre o modelo mineral, sobre Mariana e Carajás. Merecem destaque o mural “O Rio que Era Doce”, de 14 x 3 metros, da artista Leila Monségur, e as maquetes que, com movimentos, reproduzem o complexo de Mariana antes do rompimento da barragem e logo após o desastre, com lama se espalhando – bastante didáticas, as maquetes ajudam o público a entender como funciona a mineração e a gravidade de seus impactos, especialmente em termos de contaminação da água. Outro ponto importante do evento será o lançamento do documentário 30 Anos de Jornal Pessoal sobre o periódico alternativo do jornalista e sociólogo Lúcio Flávio Pinto, que ministra – no dia 11, fechando a exposição – a aula pública Carajás: Um Ciclo Perdido?.

Serão emitidos certificados de participação das aulas públicas e rodas de conversa.

Veja aqui a programação do evento.

Texto e arte: Divulgação

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página