Ir direto para menu de acessibilidade.

Seletor idioma

ptenes

Opções de acessibilidade

Página inicial > Ultimas Notícias > Comunidade quilombola ganha implantação de projeto de acesso à telefonia celular e internet
Início do conteúdo da página

Comunidade quilombola ganha implantação de projeto de acesso à telefonia celular e internet

  • Publicado: Terça, 27 de Fevereiro de 2018, 18h11
  • Acessos: 98

CAPA celcom5

O dia 22 de fevereiro é um marco para a Comunidade Campo Verde. Nessa data, foi inaugurado o Projeto CELCOM na comunidade que faz parte do quilombo Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombo Nova Esperança de Concórdia do Pará (Arquinec), que fica a 40 km do centro da cidade de Concórdia do Pará, nordeste do Estado. O Projeto CELCOM consiste em um conjunto de soluções tecnológicas abertas (open-source) e ações sociais para promover acesso à telefonia celular GSM (2G) e internet para comunidades isoladas e esparsamente povoadas da Região Amazônica.

A inauguração ocorre após cinco meses de trabalhos de implantação e legalização. O evento da Caravana CELCOM iniciou o funcionamento do primeiro módulo de telefonia comunitária do sistema GSM CELCOM, por meio do qual os comunitários podem efetuar chamadas locais e enviar SMS entre si.

A Caravana CELCOM reuniu a equipe do projeto e outros grupos da Universidade Federal do Pará (UFPA): os voluntários do Programa Especial de Treinamento Inclusivo (PETi) CELCOM, PETi Miritrônica, Ramo Estudantil IEEE UFPA Belém e integrantes do Museu Interativo da Física (MINF) para levar ações de popularização da Ciência e Tecnologia para a comunidade quilombola.

celcom2Caravana - A recepção à Caravana na comunidade de Campo Verde reuniu cerca de 50 pessoas, entre adultos, jovens e crianças. A extensa programação iniciou-se às 10h da manhã com as boas-vindas e a distribuição dos participantes entre as atividades oferecidas na programação. Entre as ações, foi oferecido o curso de inclusão digital, ministrado pelos voluntários do PETi CELCOM, com o objetivo de familiarizar os jovens com a internet e mostrar ferramentas de comunicação nesse ambiente.

Atividades - Também fez parte da programação: uma palestra sobre internet segura, ministrada pelo Ramo Estudantil IEEE/UFPA Belém, como parte da programação do Safer Internet Day 2018 (SID 2018), com o objetivo de alertar para os perigos da internet e promover o respeito on-line; uma exposição de ciências, feita pelo MINF, que apresentou os experimentos físicos da pilha, do telefone e do telégrafo para a comunidade; e a palestra do PETi Mitrônica, que apresentou experimentos com a placa Arduino e cativou a muitos com o robô de miriti apelidado de Wall-TI (referência ao filme Wall-E).

Para finalizar, foi realizada uma reunião do Projeto CELCOM com as lideranças da Arquinec para instruir sobre o funcionamento do sistema, cuidados que se deve ter com os equipamentos e o treinamento para cadastramento de usuários. O primeiro módulo do sistema CELCOM foi inaugurado durante o encerramento da programação da Caravana, quando foram efetuadas chamadas em viva-voz para testar o correto funcionamento do sistema.

CELCOM - Além de ser um projeto de pesquisa com forte impacto social desenvolvido pelo Nucleo de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, Automação e Eletrônica (LASSE), coordenado pelo professor Aldebaro Klautau, da UFPA, o CELCOM é um laboratório vivo para atividades de ensino de telecomunicações e computação, proporcionando aprendizado prático a alunos da UFPA e de outras instituições.

celcom4Projeto Piloto - O financiamento para o projeto piloto de Campo Verde foi proporcionado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica do Pará (SECTET) e pelo Programa “EPICS in IEEE”, da Fundação dos Engenheiros Eletrônicos e Eletricistas (IEEE), em Nova York.

As parcerias com a Universidade Federal do Pará (UFPA); Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Pará (Prodepa), que auxilia na parte técnica e com enlaces para comunicação; Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que regulamenta o uso do espectro e orienta acerca; e a ONG Rhizomatica, a qual compartilha o know-how adquirido na gerência de redes comunitárias de telefonia no México e outros países, também têm sido importantes para o funcionamento do projeto.

Texto e fotos: Divulgação

registrado em:
Fim do conteúdo da página