Ir direto para menu de acessibilidade.

Seletor idioma

ptenes

Opções de acessibilidade

Página inicial > Ultimas Notícias > Dados inéditos coletados em pesquisa nacional revelam quem está hoje na maior universidade da Amazônia
Início do conteúdo da página

Dados inéditos coletados em pesquisa nacional revelam quem está hoje na maior universidade da Amazônia

  • Publicado: Quarta, 12 de Junho de 2019, 18h34

 Alunos Foto Alexandre Moraes 1

A Universidade Federal do Pará (UFPA) é a maior universidade do País em número de alunos de graduação, com mais de 51 mil estudantes em 12 campi e dezenas de polos universitários que se estendem por mais de 60 municípios paraenses. A pesquisa “Perfil socioeconômico e cultural dos estudantes, realizada pela Associação dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes)” revela quem é cada um deles.

Perfil - Pela primeira vez, o número de universitários pretos (12,9%), pardos (61,3%), amarelos (2%), quilombolas (3,4%) e indígenas (0,9%) é superior ao de brancos nas universidades brasileiras, e essa realidade também marca a UFPA, em que 78,4% dos estudantes se autodeclaram PPI.

Eles também são majoritariamente jovens. Cerca de 66% têm entre 18 e 24 anos. Por outro lado, 30,2% são adultos e economicamente ativos, na faixa etária entre 25 e 40 anos. Há quem tenha chegado à Universidade bem cedo, entre 13 e 17 anos (2,8%), mas também há aqueles que recomeçam a vida após os 50 anos e escolheram a UFPA (0,5% dos alunos matriculados).

A pesquisa também perguntou como cada um se autodeclara quanto à sua sexualidade e ao gênero. Na UFPA, as mulheres cisgênero são a maioria (44,5%), seguidas por homens cisgênero (41,7%). Além deles, os não binários, homens e mulheres transexuais, são 1%. Outros (12,9%) não se classificaram ou não responderam à pergunta.

Caminho até a UFPA – Quase 90% dos alunos cursaram o ensino médio regular (89,7%) e 68,8% estudaram a vida toda na rede pública de ensino. Destes, 59% entraram pelo Sistema de Cotas e foram aprovados pelo vestibular anual (52,8%) ou pelo Sistema de Seleção Unificada – SiSU – (43,7%). Parte deles estudou sozinha para o vestibular (47,4%) enquanto o restante fez cursos pré-Enem (42,4%).

Estar na UFPA, hoje, é uma grande conquista não apenas individual, para a maioria dos alunos. Isso porque a renda familiar per capita de 85% dos alunos é de até 1,5 salário mínimo e 70,2% são mantidos financeiramente pelos pais.

Mais de 82% dos pais e mais de 75% das mães nunca tiveram acesso ao ensino superior, o que indica que, de cada quatro alunos da UFPA, três são os primeiros da família a cursar uma graduação.

Vida de universitário – Um percentual de 58% dos alunos vive com os pais; 12,5%, com outros familiares; 10,2%, com o cônjuge; 7,4% moram sozinhos; 4,3%, em moradias coletivas; 2,9%, em pensões; 2,7%, em casa de amigos; 1,7%, em repúblicas; e 0,3%, em moradias estudantis.

Mais de 66% usam o transporte coletivo para chegar diariamente à Universidade e mais de 55% moram entre 5 km e 50 km de distância da Instituição. Mais de 10 % demoram horas para chegar à UFPA, pois moram a mais de 50 km dela e 7,2% demoram mais de duas horas.

A boa notícia é que os vizinhos também estão por aqui. Cerca de 25% dos alunos moram distante cerca de um a cinco quilômetros e 9% deles estão a menos de um quilômetro dos portões de Campus do Guamá. Por isso, 18,1% dos alunos demoram menos de 15 minutos para chegar à Universidade.

No campus, 30,9% dos alunos fazem pelo menos uma refeição por dia em um dos dois restaurantes universitários; 81,3% frequentam uma das bibliotecas da UFPA a semana toda e mais de 11,1% deles o fazem mais de quatros vezes por semana.

Situação civil e familiar – Os alunos são, na maioria (86,5%), solteiros, mas 12,7% estão casados ou em união estável e 15% têm filhos, alguns dos quais (8,7%) menores de cinco anos. Ao todo, 13,1% vivem na mesma casa que seus filhos, e, para 6,8%, é a família a maior rede de apoio quanto ao cuidado das crianças para que os pais universitários frequentem a UFPA.

Vida agitada (e ocupada!) – 73% dos alunos da UFPA estudam entre 5h e 10h por dia fora do que fazem em sala de aula. E depois que ingressaram na Universidade, 65,7% responderam que leem mais. Já 13,2% disseram frequentar mais o teatro, embora 48,2% preferiram o cinema e 28,2% tenham deixado de ir a alguns shows.

Do total, 44,6% praticam alguma das atividades na Universidade, nomeadamente a iniciação científica (11,2%); os projetos de extensão (9,3%); os estágios (9,3%); os projetos variados (9,3%); a monitoria (5,4%); os grupos de educação tutorial (1,8%); as atividades variadas (1,4%) e as empresas juniores (1,1%).

Como futuros líderes, 30,9% atuam em movimentos e organizações sociais, como movimento estudantil (8,4%); Atlética (6,6%); outras organizações (6,4%); organizações religiosas (5,1%); movimento feminista (5%); movimentos artísticos e culturais (3,5%); movimento negro (3,4%); organizações em defesa do público LGBTI (3,4%); movimentos ecológicos (1,9%); partidos políticos (1,3%) e movimento sindical (0,7%). 

Futuro! - Tendo realizado o sonho de entrar na Universidade, 58% pretendem fazer um curso de pós-graduação após receber o diploma; 49,6% esperam entrar de imediato no mercado de trabalho depois da formatura e 11,3% desejam ainda continuar por aqui e fazer um novo curso de graduação.

Serviço:
Pesquisa Andifes 2018 – UFPA
Veja a pesquisa nacional aqui.
Assista aqui à entrevista do reitor Emmanuel Tourinho e do superintendente de Assistência Estudantil da UFPA, Ronaldo Araújo, sobre a pesquisa Andifes 2019.

Texto: Glauce Monteiro – Assessoria de Comunicação da UFPA
Foto: Alexandre de Moraes

registrado em:
Fim do conteúdo da página