Ir direto para menu de acessibilidade.

Seletor idioma

PT EN ES

Opções de acessibilidade

Página inicial > Ultimas Notícias > Projeto de extensão da UFPA inicia ciclo de palestras contra a violência obstétrica
Início do conteúdo da página

Projeto de extensão da UFPA inicia ciclo de palestras contra a violência obstétrica

  • Publicado: Quarta, 13 de Setembro de 2017, 19h00

tranformador 746x423

O Projeto de extensão da UFPA TransformaDor: Parir com Amor, Sem Violência inicia, nesta sexta-feira, 15 de setembro, uma série de atividades com mulheres grávidas e acompanhantes que são atendidas na Unidade Municipal de Saúde da Cremação (UMS). Serão realizadas rodas de conversa, oficinas e mostra de vídeos para explicar o conceito de violência obstétrica, os direitos das parturientes e como as más práticas podem ser denunciadas. Este será o segundo ano das atividades contra a violência obstétrica e pelo empoderamento feminino dentro do Sistema Único de Saúde (SUS), realizadas pelo projeto em Belém. Também faz parte das iniciativas do “TransformaDor” a capacitação e a conscientização dos profissionais de saúde da Unidade de Saúde.

Até dezembro, serão abordados dentro do projeto diversos temas como: o que é a violência obstétrica; a importância do pré-natal; as boas práticas de atenção ao parto; as fases do trabalho de parto; o papel do acompanhante; os métodos não farmacológicos de alívio da dor; e a importância da amamentação. “Queremos que a mulher tenha consciência da fisiologia do parto e do nascimento e também dos direitos que lhe são assegurados para que esse momento seja vivido de forma segura e prazerosa. Para passar essa mensagem, utilizamos filmes, convidamos especialistas, ensinamos técnicas”, explica Edna Abreu, coordenadora do projeto de extensão da UFPA. No dia 15 de setembro, às 9h, haverá coquetel de lançamento, exposição de fotos e vídeo do projeto, e danças circulares, com a presença da arte educadora Marluce Araújo.

Projeto premiado - O Transformador: Parir com Amor, Sem Violência foi uma das seis experiências nacionais reconhecidas como inovadoras pela Organização Pan-Americana de Saúde e Conselho Nacional de Saúde (CNS) e foi premiado na 2ª Conferência Nacional de Saúde, em cerimônia realizada em agosto, em Brasília. As iniciativas premiadas durante a Conferência foram selecionadas por meio do “Edital Laboratório de Inovação sobre a Participação Social na Atenção Integral à Saúde das Mulheres”, voltado para ações inovadoras na atenção à saúde das mulheres.

O edital busca identificar e valorizar experiências e práticas participativas e deliberativas inovadoras, cujas evidências sirvam de subsídios para uma implementação mais eficaz da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres, particularmente no que se refere ao papel da participação social no acesso à saúde das mulheres em situação vulnerável.

Sobre o “TransformaDor: Parir com Amor, Sem Violência” – O projeto tem como foco o trabalho no combate a violência obstétrica por meio de ações de educação em saúde que empodere mulheres socialmente vulneráveis, dentro da perspectiva dos Direitos Humanos. A metodologia usada tem a educação popular como base, buscando uma intervenção no mundo e no engajamento das mulheres na luta pelo fim das diversas formas de violência obstétrica, ou seja, as violações físicas, verbais e psicológicas sofridas por mulheres antes, durante o parto, no pós-parto e também em situações de abortamento.

Em 2016, cerca de 430 pessoas, entre mulheres grávidas e seus acompanhantes, estudantes e profissionais foram beneficiados pelo projeto. O TransformaDor promoveu encontros formativos com as mulheres grávidas atendidas na Unidade Municipal de Saúde da Pratinha, reuniões com estudantes da UFPA e  equipe técnica da UMS Pratinha. O projeto foi, ainda, apresentado a residentes do curso de Enfermagem Obstétrica da UFPA e durante o Fórum Perinatal da Região Metropolitana de Belém. A iniciativa conta com uma equipe multi e transdisciplinar que inclui, enfermeiras obstetras, doulas, profissionais da educação, residentes em enfermagem obstétrica da UFPA e alunas de graduação da Instituição.

Texto e arte: Divulgação

registrado em:
Fim do conteúdo da página