Ir direto para menu de acessibilidade.

Seletor idioma

PT EN ES

Opções de acessibilidade

Página inicial > Ultimas Notícias > Aulas de Química em laboratório do Campus de Cametá utilizam propriedades regionais
Início do conteúdo da página

Aulas de Química em laboratório do Campus de Cametá utilizam propriedades regionais

  • Publicado: Quarta, 05 de Dezembro de 2018, 18h58

28.05.2009 Laboratórios Foto Alexandre Moraes 3

Tornar a aula de Química ainda mais interessante para os alunos, e o melhor, com o uso de propriedades regionais. Foi assim que surgiu a ideia do técnico de laboratório de Química, Carlos Maurício da Conceição, do Campus da Universidade Federal do Pará em Cametá. A turma de 2016 do curso de Ciências Naturais aceitou o desafio de desenvolver pesquisas e iniciou os trabalhos com o açaí, depois, com o jambo e o Ajuru. O objetivo era encontrar um indicador de ácido/base alternativo para as aulas de Química em laboratório, com características que indicavam a possibilidade de esses frutos terem as antocianinas, um grupo de flavonoides que faz com que haja a mudança de cor, de acordo com o pH da solução.

Após a realização do experimento, foi possível identificar e classificar as soluções, sendo perceptível a variação de cor concomitantemente com a variação de pH, estando em destaque o extrato de jambo. Fruto da região e de baixo valor de aquisição, por conter antocianina, é capaz de indicar soluções de caráter ácido e básico, o jambo apresentando-se com um significativo potencial em substituir indicadores convencionais, confirmando a defesa de alguns autores sobre a utilização de corantes naturais como indicadores.

Segundo Maurício da Conceição, a proposta é mostrar que, mesmo com as limitações estruturais, é possível desenvolver com os alunos um trabalho de pesquisa com grandes resultados, utilizando frutas regionais, e que podem gerar ainda mais resultados.

“Os resultados preliminares mostram que eles têm um alto teor de flavonoides e antocianinas e que servem para a indicação de diferentes pHs. Essa é uma pesquisa de baixo custo e de fácil preparação, que pode ser levada para as escolas de nível Médio e Fundamental do município, auxiliando os professores no ensino de Ciências e Química”, reforça o técnico.

O trabalho da equipe também ganhou destaque nacional e foi apresentado no 58º Congresso Brasileiro de Química, realizado em novembro deste ano em São Luiz (MA). As pesquisas foram coordenadas pelo técnico de laboratório de química, Carlos Maurício da conceição, com o apoio do professor substituto José Gomes Melo Junior e participação dos alunos Elielson Coelho, Eliel Aquino Ribeiro, Jailson Amaral e Ronivaldo Lobato.

As pesquisas feitas com os frutos da região continuam sendo desenvolvidas no Laboratório de Química do Campus de Cametá, como forma de incentivar o engajamento dos alunos em novas descobertas científicas.

Texto: Ericka Pinto - Assessoria de Comunicação da UFPA
Foto: Alexandre de Moraes

registrado em:
Fim do conteúdo da página